Foto: Reprodução/YouTube Metrópoles

O caso do personal trainer que agrediu um morador de rua, após flagrá-lo dentro de um carro, transando com a sua mulher ganhou repercussão na web. Identificado como Givaldo Alves, o mendigo de Planaltina, contou pela primeira vez a sua versão sobre o fato.

Leia: Greve dos Garis pode ser decretada a qualquer momento no Rio

A princípio, o morador em situação de rua concedeu entrevista ao portal Metrópoles e se defendeu das acusações que o personal trainer, Eduardo Alves, fez contra ele.

Givaldo Alves, de 48 anos, como é identificado deu a sua versão e afirmou que não houve estupro. Segundo ele, a mulher do personal teria o convidado a entrar no carro para ‘namorar’.

À polícia, Eduardo Alves, afirmou que a esposa estava em surto psicótico e que ele foi para cima de Givaldo por acreditar que ela estava sendo vítima de estupro, pois, a relação sexual, segundo ele, não foi consensual.

Eu andava pela rua e ouvi um grito: ‘moço, moco’. (…) Olhei para trás e só tinha eu. (…) E ela confirmou comigo dizendo: ‘Quer namorar comigo?’. (…) ‘Moça, eu não tenho dinheiro, sou morador de rua. Não tenho dinheiro nem para te levar ao hotel’. Foi quando ela falou: ‘Pode ser no meu carro’, contou Gilvado.

Para o mendigo de Planaltina, as câmeras de segurança comprovam que não houve estupro. “Deus me colocou em um lugar cercado por câmeras que comprovam não ter havido nada disso (estupro). Se fosse outro morador de rua, possivelmente já estaria preso”, contou.

Todavia, o morador em situação de rua disse que só foi saber que a mulher era casada depois que ele recebeu atendimento médico em uma unidade de saúde.

Se eu pudesse, não olharia para trás, para aquela voz”, disse Givaldo

QUEM É GIVALDO ALVES: MENDIGO DE PLANALTINA

De acordo com a reportagem do site, o homem já foi casado, é baiano e já andou por cidades da Bahia, Tocantis, Minas, Goiás e parou e Brasília.

ENTREVISTA COM O MENDIGO DE PLANALTINA