A Polícia Civil investiga a morte de um bebê após o parto no Hospital Municipal Mariska Ribeiro, em Bangu, Zona Oeste. A família de uma adolescente, de 16 anos, foi quem denunciou a equipe médica da unidade de saúde por negligência médica durante o procedimento.

Segundo os familiares, a mãe não teve problemas durante a gestação e passou por acompanhamento de rotina pré-natal. O nascimento da pequena era esperado para a última sexta-feira (22), mas o procedimento do parto não correu como esperado. A criança morreu nesta terça-feira, após quatro dias internada na UTI neonatal.

O bebê teria nascido de cesárea após diversas tentativas de parto natural, com o uso da técnica do vácuo-extrator, que não surtiu efeito. O trabalho durou cerca de uma hora e, segundo a família, teria machucado a cabeça da criança.

Em entrevista ao RJTV 1ª Edição, da TV Globo, desta quarta-feira, a irmã da adolescente, Bianca Lanes, contou que o problema foi a insistência dos médicos já iniciaram o atendimento dizendo que iriam induzir o parto normal, mas perceberam que a cabeça do bebê estava virada.

A tia da criança contou ainda que logo que nasceu ela foi levada para a UTI neonatal da unidade, pois tinha dificuldades para respirar e ferimentos na cabeça. “Machucaram a cabeça da minha sobrinha e falaram que foi sujeira de parto”, comentou a irmã da jovem.

O caso foi registrado pela família na 34ª DP (Bangu). Os agentes investigam as circunstâncias da morte da bebê. No momento, investigadores realizam diligências para esclarecer o ocorrido.

Em nota, a direção do Hospital da Mulher Mariska Ribeiro lamentou o falecimento da bebê e informou que abriu processo de apuração do atendimento prestado à paciente.

“A direção do hospital reitera que está à disposição da paciente e sua família para prestar quaisquer esclarecimentos”, pontuou.