Idosa que teve obras de arte roubadas pela filha ficou um ano em cárcere privado

0
51

A aposentada Genevieve Boghici, de 82 anos, viúva do grande colecionador de obras de arte Jean Boghici, permaneceu em cárcere privado no próprio apartamento, em Ipanema, na Zona Sul do Rio, durante um ano. Ela foi trancafiada pela filha, Sabine Boghici, que queria roubar as obras deixadas pelo pai.

Sabine orquestrou um esquema para ludibriar a idosa e chamou dois falsos videntes para enganar a mãe, alegando que ela precisava de um tratamento espiritual.

A aposentada acabou acreditando na história e depositou dinheiro para cartomantes, com o intuito de conseguir uma cura sobrenatural. Sabine aproveitou a situação os quadros da mãe, entre eles, a obra Sol Poente, pintado pela artista Tarsila do Amaral.

O delegado Gilberto Ribeiro, responsável pelas investigações, explica como Sabine conseguiu isolar a mãe do restante da família e dos amigos. “A idosa em 15 dias fez algumas transferências que totalizaram em R$ 5 milhões. Só que nesse meio tempo, a filha que tinha voltado a morar com a idosa, dispensou todos os funcionários da casa, afastou a idosa de todos os amigos e começou a controlar os seus telefones”, explicou o delegado.

Ao todo, quatro pessoas foram presas, entre elas, Rosa Stanesko, apontada como a autora do falso tratamento espírita.

Deixe uma resposta