A grande revolução cultural carioca. A Lona Cultural Sandra de Sá, em Santa Cruz, zona Oeste do Rio, será transformada em areninha em breve. O secretário municipal de Cultura, Marcus Faustini, esteve na obra junto com a gerente Cintia Monsores e detalha algumas das principais mudanças:

“O detalhe faz a diferença, já dizia minha avó. A escada, por exemplo, vai virar uma plataforma de acesso para artistas cadeirantes ao palco. Aliás, todo o espaço vai ter acessibilidade. Além disso, vai ter horta, biblioteca e tudo o que um equipamento cultural precisa para dialogar com o território.”

Entre outras mudanças, isto significa substituir uma lona por uma estrutura de material termo acústico, o que garante mais qualidade tanto para o público quanto para o artista. Um ambiente climatizado numa cidade quente como o Rio e com isolamento acústico para não incomodar a vizinhança – as lonas geralmente estão instaladas em áreas residenciais. Além disso, a estrutura de Areninha possibilita mais acessibilidade, a instalação de um elevador, por exemplo.

Também teve início a obra que vai transformar a Lona Cultural Municipal Herbert Vianna, na Maré, em Areninha. As obras devem durar de cinco a seis meses, ao custo de cerca de R$ 2,5 milhões, cada.

Lonas, arenas e areninhas

Arena Carioca Jovelina Pérola Negra – Pavuna
Arena Carioca Fernando Torres – Madureira
Areninha Carioca Gilberto Gil – Realengo
Arena Carioca Carlos Roberto de Oliveira Dicró – Penha
Lona Cultural Municipal Carlos Zéfiro – Anchieta
Lona Cultural Municipal Jacob do Bandolim – Jacarepaguá
Arena carioca Abelardo Barbosa – Chacrinha – Pedra de Guaratiba
Areninha Carioca Hermeto Pascoal – Bangu
Areninha Carioca Renato Russo – Ilha do Governador
Lona Cultural Municipal Sandra de Sá – Santa Cruz
Lona Cultural Municipal Herbert Vianna – Maré
Lona Cultural Municipal Terra – Guadalupe
Lona Cultural Municipal João Bosco – Vista Alegre
Lona Cultural Municipal Carlos Zéfiro – Anchieta